Paulo Guedes com Bolsonaro, jantar de Lula com o centrão e mais destaques de Brasília

Confira as últimas atualizações para você começar seu dia com tudo que precisa saber sobre política.

DESTAQUES DE BRASÍLIA


Paulo Guedes pode continuar em um eventual segundo mandato de Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (11) que “a princípio” o ministro da Economia, Paulo Guedes, seguirá em seu governo caso seja reeleito. Em entrevista ao “Irmãos Dias Podcast”, Bolsonaro disse: “Eu não tenho críticas a nenhum ministro do governo. Logicamente, a gente vai fazer pequenas alterações [caso seja reeleito]. O Paulo Guedes foi uma pessoa fantástica por ocasião da pandemia. Ele tem muito crédito. Tem que ver se ele quer continuar também.” (Valor)

Jantar de Lula com políticos e a Terceira Via

Na noite de ontem (11), Lula participou de jantar na casa do ex-senador Eunício Oliveira (MDB). Os senadores emedebistas Renan Calheiros (AL), Eduardo Braga (AM), Veneziano Vital do Rêgo (PB) e Marcelo Castro (PI) também estavam presentes. Os senadores Omar Aziz (PSD-AM), Randolfe Rodrigues (Rede) e Kátia Abreu (PP-TO) foram convidados. Os caciques do MDB lideram articulação na legenda para retirada da pré-candidatura da senadora Simone Tebet (MDB). O objetivo é que a sigla passe a apoiar o petista já no primeiro turno. No Nordeste, PT e MDB já consolidaram alianças em pelo menos sete dos nove Estados com indefinições apenas no Ceará e Sergipe. A região representa 27% do eleitorado brasileiro. (Valor)

Agências reguladoras viram alvo de PEC e podem ser esvaziadas

A ideia é segregar atribuições hoje desempenhadas pelas agências, deixando com elas apenas a execução e a fiscalização dos contratos. De acordo com a minuta da PEC, cada setor regulado pode ter dois novos conselhos. Um deles, vinculado ao ministério setorial, ficaria responsável por toda a elaboração de normas. Outro seria um órgão administrativo independente e nos moldes do Carf. (Valor)

Desgaste do Ministro da Casa Civil Ciro Nogueira

A influência do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, sobre áreas estratégicas da máquina pública federal tornou-se um foco de desgaste para o governo, especialmente entre a ala militar. No domingo, O GLOBO mostrou que 75% dos recursos destinados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE para a compra de caminhões frigoríficos foram destinados para 14 cidades comandadas por prefeitos do PP, partido do qual Ciro Nogueira é presidente licenciado. Dessas cidades, nove ficam no Piauí, estado do ministro. Parte dos prefeitos agraciados se reuniu com o ministro pouco tempo antes de suas cidades receberem os veículos. O presidente do FNDE é Marcelo Ponte, que foi chefe de gabinete de Nogueira no Senado.

Além disso, na sexta-feira, a Polícia Federal concluiu que Nogueira recebeu propina do grupo J&F e cometeu os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro Os pagamentos, segundo a PF, teriam sido feitos ao ministro para que o PP apoiasse a campanha de reeleição da então presidente Dilma Rousseff (PT) em 2014.. A avaliação é que, no momento, o titular da Casa Civil segue inabalável no cargo, já que a sua saída poderia causar prejuízo político à campanha à reeleição de Bolsonaro, da qual ele é um dos coordenadores. (O Globo)

Aéreas pedem conversa com governo sobre preço do combustível

O presidente da Abear (Associação Brasileira de Empresas Aéreas), Eduardo Sanovicz, teve uma reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta segunda-feira (11). Ele afirmou que Guedes “reagiu de forma muito positiva” ao plano de instalação de uma mesa permanente de debate sobre o preço do querosene de aviação. Sanovicz não quis adiantar que propostas o setor apresentará ao governo para reduzir o custo do combustível, mas disse que não foi tratado nenhum tipo de desoneração. Entretanto, ele comentou que a forma de precificação e fórmula usada atualmente pela Petrobras pode ser debatida. (Broadcast)

PT adia lançamento de Lula-Alckmin para 7 de maio

O ato de lançamento da chapa de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a presidente da República e Geraldo Alckmin (PSB) de vice foi adiado para 7 de maio. O evento seria em 30 de abril, no mesmo dia da Conferência Eleitoral do PSol. Integrantes da sigla pediram para mudar a data do ato. Com a alteração, a expectativa do PT é colocar no mesmo palanque todos os partidos aliados –PSB, PC do B, PV, Solidariedade, além do Psol e da Rede, que devem criar uma federação. (Poder 360)

Campos Neto adia reunião com funcionários do BC

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, não se reuniu com os funcionários da autarquia nesta segunda (11), como era esperado. Os trabalhadores estão em greve desde 1º de abril para cobrar reajuste salarial e disseram que a reunião será remarcada, possivelmente para hoje (12) (Poder 360)

Câmara aprova PEC sobre gasto mínimo em educação durante a pandemia

A Câmara dos Deputados aprovou nesta segunda-feira (11), em dois turnos, a proposta de emenda à Constituição que libera estados e municípios, em 2020 e em 2021, de cumprirem o mínimo previsto na Constituição de investimentos em educação (PEC 13/21). A matéria será enviada à promulgação. A PEC estabelece que o ente federado que não cumprir o mínimo constitucional nesses dois anos deverá aplicar nessa finalidade, até o exercício financeiro de 2023, o valor necessário para completar os 25%.

Segundo explica o relator, deputado Tiago Dimas (Pode-TO), 15,2% dos 3.181 municípios que registraram seus dados em pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Municípios não conseguiram aplicar os recursos no patamar do mínimo constitucional em função da redução de despesas gerada pela suspensão das aulas presenciais. O texto impede a aplicação de quaisquer penalidades, sanções ou restrições aos entes para fins cadastrais, de aprovação ou de celebração de convênios. Os municípios poderão ainda receber recursos do orçamento da União por meio de transferências voluntárias. (Agência Câmara de Notícias)

Lorena Laudares |  Mestre em Ciência Política 

(21) 98115-6831 –  lorena.laudares@orama.com.br

Posts Similares