Na contramão do exterior, Ibovespa fecha em alta na expectativa do Copom

Compartilhe o post:

NESTA MANHÃ
Nesta manhã: Mercados operam sem direção definida digerindo as consequências das tensões geopolíticas.
  • As bolsas na Ásia fecharam sem direção definida, enquanto investidores acompanham as consequências da polêmica visita da presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan. O Xangai Composto recuou 0,71%. Contudo, o Nikkei teve alta de 0,53% e o Hang Seng subiu 0,40%. 
  • O índice de gerentes de compras (PMI) composto da China recuou de 55,3 em junho para 54,0 em julho, de acordo com pesquisa divulgada pela S&P Global e a Caixin Media. Acima da marca de 50, que separa a expansão da contração, o PMI permaneceu em território de crescimento pelo segundo mês seguido.
  • Na Europa, as bolsas operam em alta, ao passo que os investidores avaliam os riscos da situação geopolítica e acompanham balanços corporativos e dados da zona do euro. Desse modo, o Stoxx Europe avança 0,09%.
  • O PMI composto da zona do euro caiu de 52 em junho para 49,9, atingindo o menor nível em 17 meses e com o resultado abaixo de 50 apontando contração na atividade econômica, conforme pesquisa final divulgada pela S&P Global. O número final de julho, porém, ficou acima da leitura preliminar e da previsão de analistas consultados pelo WSJ, de 49,4 em ambos os casos.
  • As vendas no varejo da zona do euro sofreram queda de 1,2% em junho ante maio, de acordo com a Eurostat. No entanto, a expectativa era de estabilidade das vendas no período. Em relação a igual mês do ano passado, as vendas do setor varejista do bloco tiveram contração de 3,7% em junho.
  • O índice de preços ao produtor (PPI) da zona do euro saltou 35,8% em junho ante igual mês do ano passado, conforme dados publicados pela Eurostat. O resultado de junho, porém, veio um pouco acima do consenso de analistas consultados pelo WSJ, de 35,7%. Em relação a maio, o PPI do bloco avançou 1,1% em junho, de acordo com as expectativas.
  • Os futuros dos índices de ações de Wall Street indicam abertura em alta.
  • O rendimento do T-Notes de 10 anos está em 2,77%.
  • Os contratos futuros do Brent recua 0,85% a US$ 99,69 o barril.
  • O ouro avança 0,16%, a US$ 1.763,36 a onça.
  • O Bitcoin negocia a US$ 23,5 mil.
AGENDA DO DIA
  • 10:00 Brasil: PMI Composto (Jul)
  • 10:45 EUA: PMI Composto (Jul)
  • 11:00 EUA: Encomendas à Indústria (Jun)
  • 11:00 EUA: PMI ISM Não-Manufatura (Jul)
  • 18:00 Brasil: Decisão monetária do Copom

RESUMO DO FECHAMENTO ANTERIOR
BRASIL

Na contramão do exterior negativo, o Ibovespa recuperou a linha dos 103 mil pontos, encerrando com alta de 1,11%, a 103.361,70 pontos. No cenário doméstico, as ações foram movidas pela alta nas commodities e na véspera da decisão do Copom. 

Após quatro sessões consecutivas de baixa, os juros fecharam em alta, em movimento de realização de lucros a partir do ambiente externo, que penalizou moedas de economias emergentes, incluindo o real. Assim, o dólar avançou 1,93% na sessão, a R$ 5,2780. 

EXTERIOR

Os mercados acionários de Nova York registraram perdas, com cautela ante o quadro geopolítico e sinais de mais altas de juros por dirigentes do Fed. O índice Dow Jones fechou em queda de 1,23%, enquanto o S&P 500 caiu 0,67% e o Nasdaq recuou 0,16%.

Os retornos dos Treasuries subiram, ganhando fôlego ao longo da sessão, em meio a declarações de dirigentes do Fed e do quadro geopolítico. Do mesmo modo, o índice DXY avançou 0,75%.  

A presidente do Fed de São Francisco, Mary Daly, afirmou que o trabalho do Fed para conter a inflação “não está nem perto de concluído”. Conforme dito em entrevista virtual à CNBC, em sua perspectiva, “nós elevaremos os juros e os manteremos lá por um tempo”. Além disso, argumentou que é “terrivelmente duro” para a economia, caso o Fed eleve e corte os juros rapidamente. Sem direito a voto nas decisões de política monetária neste ano, reafirmou o compromisso do Fed de conter a inflação, destacando que seus números estão “muito elevados”.

O escritório da presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, divulgou comunicado após a chegada dela como parte de uma comitiva do Congresso americano a Taiwan. O texto diz que a visita da delegação “honra o compromisso inabalável dos EUA em apoiar a vibrante democracia de Taiwan”. De acordo com ela, a parada não contradiz “de maneira alguma” a política dos EUA sobre o tema, guiada pela Lei de Relações com Taiwan, de 1979, e por comunicados conjuntos já emitidos com a China. “Os Estados Unidos continuam a se opor a esforços unilaterais para mudar o status quo”, ressalta a autoridade americana. Pequim tem criticado a visita e ameaçado adotar ações de retaliação. Para entender mais sobre o quadro geopolítico, acesse aqui.

INDICADORES ECONÔMICOS NOS EUA

A abertura de postos de trabalho nos Estados Unidos caiu a 10,698 milhões em junho, de acordo com o relatório Jolts, publicado pelo Departamento do Trabalho do país. O número de maio foi ligeiramente revisado para cima, de 11,254 milhões a 11,303 milhões.

INDICADORES ECONÔMICOS NO BRASIL

A produção industrial caiu 0,4% em junho ante maio, de acordo com o IBGE. O resultado veio pior que a mediana (-0,3%) das estimativas de analistas captadas pelo Projeções Broadcast, que iam de uma queda de 0,7% a um avanço de 0,7%. Em relação a junho de 2021, a produção caiu 0,5%. Enquanto, nessa base de comparação, as estimativas variavam de uma queda de 1,0% a um aumento de 3,8%, com mediana de queda de 0,3%. No acumulado do ano, a indústria teve queda de 2,2%. Ao passo que, no acumulado em 12 meses, houve queda de 2,8%.

POLÍTICA NO BRASIL

A diferença das intenções de votos entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL) passou de 14 pontos para 12 pontos percentuais entre julho e agosto, de acordo com a pesquisa Quaest divulgada nesta quarta-feira (3). O petista mantém a liderança, com 44% ante 32% de Bolsonaro. Na pesquisa anterior, divulgada em 6 de julho, Lula teve 45% e Bolsonaro, 31%. Ciro Gomes (PDT), numericamente em terceiro, recebeu 5% das intenções de voto (em julho era 6%). A senadora Simone Tebet (MDB) e o deputado federal André Janones (Avante) mantiveram os 2%. (Valor)

O governo Jair Bolsonaro pagará R$ 12,6 bilhões até o 1º turno da eleição com benefícios que não estavam previstos no Orçamento. Somado ao que já existia, o desembolso total será de R$ 27 bilhões. Serão beneficiadas diretamente 20,7 milhões de pessoas. Elas receberão diretamente algum tipo de dinheiro extra graças à aprovação da PEC das Bondades. O Auxílio Brasil é pago a 18,1 milhões de titulares. Levando-se em conta os familiares, o número de beneficiados é 53 milhões. Não há estimativas para os outros benefícios. (Poder 360)

Para mais notícias sobre política, acesse o Panorama Político.

PAINEL DE COTAÇÕES

As informações contidas neste material têm caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação
 de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Este material é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Órama Investimentos, incluindo agentes autônomos e clientes, podendo também ser divulgado no site e/ou em outros meios de comunicação da Órama. Fica
 proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Órama.
Compartilhe o post:

Posts Similares