Bolsas avançam apesar de leitura fraca de indicadores econômicos na China e Europa

Compartilhe o post:

NESTA MANHÃ
Nesta manhã: Bolsas avançam apesar de leitura fraca de indicadores econômicos na China e Europa.
  • As bolsas asiáticas fecharam em alta, acompanhando o tom positivo de Wall Street do fim da última semana, apesar de dados chineses mostrarem enfraquecimento da manufatura no país. O índice acionário Nikkei subiu 0,69%, enquanto o Hang Seng teve alta marginal de 0,05 %e o Xangai Composto avançou 0,21%.
  • A produção industrial oficial da China fechou julho em 49, marcando queda em relação aos 50,2 da leitura do índice em junho, conforme informou o NBS. Desse modo, o índice de gerentes de compra (PMI) ficou abaixo de 50, o que significa contração da atividade no setor. Além disso, ficou aquém da previsão mediana de 50,3 feita pelos economistas consultados em pesquisa do WSJ.
  • Na Europa, as bolsas operam em tom positivo, na esteira de mais de grandes empresas e de indicadores de atividade. Assim, o índice Stoxx Europe 600 avança 0,21%.
  • A taxa de desemprego da zona do euro ficou em 6,6% em junho, repetindo o patamar de maio, conforme dados divulgados pela Eurostat. O resultado veio de acordo com a expectativa de analistas consultados pelo The WSJ.
  • O índice de gerentes de compras (PMI) industrial da zona do euro caiu de 52,1 em junho para 49,8 em julho, atingindo o menor patamar em 25 meses, de acordo com pesquisa a S&P Global. O resultado abaixo da barreira de 50 mostra que a atividade manufatureira do bloco passou a se contrair, ainda que levemente.
  • Os futuros dos índices de ações de Wall Street indicam abertura em queda. 
  • O rendimento do T-Notes de 10 anos está em 2,66%.
  • Os contratos futuros do Brent caem 1,11% a US$ 102,82 o barril.
  • O ouro avança 0,36%, a US$ 1.772,45 a onça.
  • O Bitcoin negocia a US$ 24 mil.
AGENDA DO DIA
  • 08:25 Brasil: Boletim Focus
  • 10:00 Brasil: PMI Industrial S&P Global (Jul)
  • 10:45 EUA: PMI Industrial S&P Global (Jul)
  • 11:00 EUA: Preços no Setor Manufatureiro ISM (Jul)

RESUMO DO FECHAMENTO ANTERIOR
BRASIL

O Ibovespa subiu, motivado principalmente pelos fortes resultados e distribuição recorde de dividendos da Petrobras. No entanto, alguma frustração em relação ao balanço da Vale impediu que fosse mais adiante. Assim, fechou o dia em alta de 0,55%, aos 103.164,69 pontos. Na semana, acumulou 4,29% e no mês 4,69%.

Os juros futuros fecharam em queda. A realização de lucros que puxava os juros para cima pela manhã, na esteira da surpresa negativa do índice PCE nos EUA, estancou no meio do dia e as taxas viraram para baixo no começo da tarde. Após quatro pregões consecutivos de baixa, em que acumulou desvalorização de 6,10%, o dólar encerrou a sessão em leve alta de 0,23%, a R$ 5,1750. Enquanto na semana desvalorizou 5,87% e no mês 1,13%.

EXTERIOR

Os principais índices acionários das bolsas de Nova York encerraram o pregão com altas, com o S&P 500 registrando seu melhor mês desde novembro de 2020. Os ganhos foram liderados por ações do setor de energia, mas também com bom desempenho de big techs, após balanços que agradaram investidores. Além disso, indicadores da economia dos EUA também ajudaram as bolsas. O índice Dow Jones fechou em alta de 0,97%, enquanto o S&P 500 avançou 1,42% e o Nasdaq subiu 1,88%. Ao passo que, no mês, os ganhos foram de 6,73%, 9,11% e 12,35%, respectivamente.

Os juros dos Treasuries ficaram mistos, com a ponta longa da curva em queda. No entanto, os rendimentos chegaram a subir em bloco após a divulgação do índice de preços de gastos com consumo (PCE). O índice DXY recuou 0,77%, com investidores atentos a vários indicadores, nos Estados Unidos e na Europa.

INDICADORES ECONÔMICOS NOS EUA

O índice de preços de gastos com consumo (PCE) – medida de inflação preferida do Fed – subiu 1% em junho ante maio, de acordo com dados publicados pelo Departamento do Comércio. O núcleo do PCE, que exclui itens voláteis como alimentos e energia, avançou 0,6% no mesmo período, vindo um pouco acima das expectativas de analistas consultados pelo WSJ, de alta de 0,5%. Na comparação anual, o PCE subiu 6,8% em junho, após a alta de 6,3% de maio, e seu núcleo aumentou 4,8%, depois de avançar 4,7% no mês anterior.

POLÍTICA NO BRASIL

O presidente nacional do União Brasil, deputado federal Luciano Bivar (PE) confirmou neste domingo (31) que desistiu de concorrer à presidência da República. “Resolvi voltar e permanecer na Câmara Federal”, afirmou, durante a convenção do União Brasil em Pernambuco que oficializou a candidatura do ex-prefeito de Petrolina Miguel Coelho a governador. Bivar deste modo concorrerá à reeleição para deputado. O ex-pré-candidato a presidente sinalizou que o União Brasil poderá se aliar ao Podemos para lançar uma candidatura própria à presidência, a da senadora Soraya Thronicke. (Valor)

Decreto publicado pelo governo federal na última sexta-feira (29) estabelece os itens fabricados no Brasil para os quais será válida a redução de 35% no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). O decreto também exclui da lista os principais produtos que são fabricados na Zona Franca de Manaus. Segundo o governo, o decreto cumpre decisão judicial que determinou a preservação da competitividade dos produtos produzidos na Zona Franca. De acordo com o Ministério da Economia, o decreto dá segurança jurídica para a redução do IPI. Com essa medida, a arrecadação federal deverá reduzir em R$ 15,6 bilhões em 2022.

Desde a semana passada, foram contingenciados aproximadamente R$ 8,8 bilhões do orçamento federal deste ano. O Ministério da Saúde já tem bloqueados R$ 2,738 bilhões de seu orçamento de 2022, enquanto o Ministério da Educação tem R$ 1,679 bilhão bloqueado. Os números foram divulgados nesta sexta-feira (29) pelo Ministério da Economia. A pasta não detalhou como esses bloqueios se comparam com aqueles que foram anunciados em maio. (Valor)

Para mais notícias sobre política, acesse o Panorama Político.

PAINEL DE COTAÇÕES

As informações contidas neste material têm caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação
 de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Este material é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Órama Investimentos, incluindo agentes autônomos e clientes, podendo também ser divulgado no site e/ou em outros meios de comunicação da Órama. Fica
 proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Órama.
Compartilhe o post:

Posts Similares