Bolsas globais avançam com o bom humor de Wall Street

Compartilhe o post:

NESTA MANHÃ
Nesta manhã: Bolsas globais avançam com o bom humor de Wall Street.
  • As bolsas na Ásia fecharam em alta, seguindo Wall Street. O índice acionário japonês Nikkei saltou 2,67%, enquanto o Hang Seng avançou 1,1% em Hong Kong e o Xangai Composto teve alta de 0,77%.  
  • Na Europa, as bolsas operam sem direção definida, mantendo apetite por risco após Nova York ajudar a melhorar o sentimento dos mercados globais, mas com ganhos limitados pela expectativa de que o BCE eleve os juros na quinta-feira (21). Assim, o índice Stoxx Europe 600 avança 0,31%. 
  • O índice de preços ao consumidor (CPI) do Reino Unido aumentou 9,4% no ano, a leitura mais alta desde abril de 1982, conforme dados do ONS. Economistas consultados pelo WSJ esperavam que a inflação chegasse a 9,3%.
  • O índice de preços ao produtor (PPI) da Alemanha saltou 32,7% em junho ante igual mês de 2021, de acordo com dados publicados pela Destatis. A taxa anual do PPI desacelerou de 33,6% em maio. Em comparação ao mês anterior, o índice subiu 0,6% em junho.
  • Os futuros dos índices de ações de Wall Street indicam abertura no negativo.
  • O rendimento do T-Notes de 10 anos está em 2,97%
  • Os contratos futuros do Brent recuam 1,46% a US$ 105,78 o barril.
  • O ouro cai 0,23%, a US$ 1.707,47 a onça.
  • O Bitcoin negocia a US$ 23,7 mil.
AGENDA DO DIA
  • 11:00 EUA: Vendas de Casas Usadas (Jun)
  • 11:00 Zona do Euro: Confiança do Consumidor (Jul)

RESUMO DO FECHAMENTO ANTERIOR
BRASIL

O Ibovespa acompanhou os ganhos em Nova York e fechou em alta de 1,37%, aos 98.244,80, ainda que com giro financeiro fraco, em torno de R$ 18,8 bilhões. 

Os juros futuros voltaram a fechar em alta, desafiando a melhora do apetite global ao risco que manteve o dólar em baixa generalizada. Em tese, o exterior favorável e a agenda e noticiário esvaziados dariam condições para uma correção da disparada dos prêmios recentes, contudo fatores técnicos e receios com o quadro fiscal e eleitoral acabaram por adicionar cautela. O dólar, com a alta em Wall Street e com o enfraquecimento global da moeda americana, recuou no mercado doméstico em 0,09%, a R$ 5,4200.

A Petrobras anunciou redução de 4,9% no preço médio de venda da gasolina por suas refinarias. A partir desta quarta (20), o litro do combustível será vendido, em média, por R$ 3,86, um corte de R$ 0,20. É a primeira queda no preço da gasolina vendida pelas refinarias da estatal desde dezembro de 2021. Em nota, a estatal disse que o corte anunciado acompanha a evolução das cotações internacionais “e é coerente com a prática de preços da Petrobras, que busca o equilíbrio dos seus preços com o mercado global, mas sem o repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações internacionais e da taxa de câmbio”. Com o recuo do petróleo nas últimas semanas, era crescente a pressão de aliados e apoiadores do governo por cortes na gasolina.

EXTERIOR

 Os mercados acionários de Nova York registraram ganhos robustos. Investidores continuaram a monitorar balanços, no entanto, houve espaço para lucros generalizados pelos setores. O índice Dow Jones fechou em alta de 2,43%, enquanto o S&P 500 subiu 2,76% e o Nasdaq avançou 3,11%. 

Os rendimentos dos Treasuries subiram, em meio ao maior apetite por risco por parte dos investidores. No radar, esteve o dado de construções de moradias nos Estados Unidos, enquanto operadores seguem avaliando possíveis impactos sobre a decisão do Fed, na próxima semana.

O euro operou em alta ante o dólar, impulsionado pela perspectiva de que o BCE possa surpreender e elevar os juros da zona do euro em 50 bps, na próxima quinta-feira, ao invés de os 25 bps indicados na ata da última reunião. Assim, o movimento derrubou o índice DXY, que fechou em baixa de 0,64%.

INDICADORES ECONÔMICOS NOS EUA

As construções de moradias iniciadas nos Estados Unidos tiveram queda de 2% em junho ante maio, à taxa anualizada de 1,559 milhão, de acordo com dados publicados pelo Departamento do Comércio. Abaixo das expectativas de +1,4%, conforme previsto pelos analistas consultados pelo WSJ. Além disso, o total de permissões para novas obras caiu 0,6% na comparação mensal de junho, a 1,685 milhão.

POLÍTICA NO BRASIL

 Pesquisa PoderData realizada de 17 a 19 de julho mostra estabilidade no cenário mais provável de 2º turno na sucessão presidencial. Atualmente, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem 51% das intenções de voto em um conflito direto contra Jair Bolsonaro (PL). O atual presidente da República marca 38%, uma desvantagem de 13 pontos. A simulação de 2º turno é feita com os 2 candidatos a cada duas semanas. Lula oscilou 1 ponto percentual para cima em 15 dias, ao passo que Bolsonaro repetiu o desempenho da rodada anterior. Enquanto, no cenário de 1º turno pesquisado, que inclui 12 candidatos, Lula tem 43% e Bolsonaro, 37%. Os números mostram que um 2º turno entre os 2 nomes é o cenário mais provável no momento. (Poder 360)

Para mais notícias sobre política, acesse o Panorama Político.

PAINEL DE COTAÇÕES

As informações contidas neste material têm caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação
 de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Este material é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Órama Investimentos, incluindo agentes autônomos e clientes, podendo também ser divulgado no site e/ou em outros meios de comunicação da Órama. Fica
 proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Órama.
Compartilhe o post:

Posts Similares