Bolsas chinesas recuam após preocupações renovadas com Covid-19 no país

Compartilhe o post:

NESTA MANHÃ
Nesta manhã: Bolsas chinesas recuam após preocupações renovadas com Covid-19 no país.
  • As bolsas asiáticas fecharam em baixa, em meio a preocupações renovadas com a situação da covid-19 na China e após gigantes de tecnologia do país serem multados. Desse modo, o Xangai composto caiu 1,27% e o Hang Seng tombou 2,77%. No entanto, o mercado japonês subiu após as eleições legislativas do fim de semana e também impulsionado pela fraqueza do iene, com o Nikkei fechando em alta de 1,11%.
  • Na Europa, as bolsas operam em baixa, à medida que investidores se preparam para novos dados de inflação ao consumidor (CPI) dos EUA, na quarta-feira. Além disso, aguardam também o início da temporada de balanços corporativos da maior economia do mundo. Assim, o índice Stoxx Europe 600 recua 0,45%.
  • Os futuros dos índices de ações de Wall Street indicam abertura no vermelho. 
  • O rendimento do T-Notes de 10 anos está em 3,06%.
  • Os contratos futuros do Brent recuam 1,86% a US$ 105,03 o barril.
  • O ouro está caindo 0,33%, a US$ 1.736,96 a onça.
  • O Bitcoin negocia a US$ 20,5 mil.
AGENDA DO DIA
  • 08:25 Brasil: Boletim Focus
  • 09:00 Brasil: Crescimento do Setor de Serviços (Mai)

RESUMO DO FECHAMENTO ANTERIOR
BRASIL

A inflação no Brasil em um patamar ainda elevado e a geração de empregos acima do esperado nos Estados Unidos contribuíram para que o Ibovespa seguisse a cautela vista em Nova York. O índice fechou em baixa de 0,44%, aos 100.288,94 pontos. Na semana, acumula alta de 1,35%. 

Os juros futuros tiveram alta consistente, encerrando uma semana dominada pela aversão ao risco no exterior e temores da área fiscal. Ao mesmo tempo, o dólar recuou 1,44%, a R$ 5,2680, acumulando queda de 1% na semana. 

EXTERIOR

Os mercados acionários de Nova York fecharam sem direção única, após oscilarem ao longo do dia. Investidores avaliaram os números do relatório mensal de empregos (payroll) de junho e declarações de dirigentes do Fed. O índice Dow Jones registrou baixa de 0,15%, enquanto o S&P 500 caiu 0,08% e o Nasdaq subiu 0,12%. Na comparação semanal, houve altas de 0,77%, 1,94% e 4,56%, respectivamente.

Os retornos dos Treasuries subiram, observando a criação de postos de trabalho acima do esperado, o que arrefeceu os temores de recessão. Ao passo que o índice DXY teve queda de 0,11%, acumulando 1,78% na semana. 

O presidente da distrital do Fed em Atlanta, Raphael Bostic, argumentou que a posição ainda forte da economia dos EUA sustenta uma nova elevação agressiva dos juros este mês. “Apoio completamente uma alta de 75 pontos-base”, afirmou em entrevista à CNBC. Contudo, Bostic não vota nas reuniões do Fomc esse ano. O dirigente explicou que o “cerne” da atividade econômica ainda exibe desempenho positivo, apesar de sinais iniciais de uma desaceleração. Na visão dele, o resultado do relatório de emprego aponta para um persistente vigor do mercado de trabalho no país. 

INDICADORES ECONÔMICOS NOS EUA

A economia dos Estados Unidos criou 372 mil empregos em junho, em termos líquidos, conforme dados publicados pelo Departamento do Trabalho. Desse modo, o resultado ficou bem acima da mediana de analistas consultados pelo Projeções Broadcast, de geração de 275 mil vagas. Ao passo que a taxa de desemprego dos EUA ficou inalterada em 3,6% pelo quarto mês seguido em junho, em linha com o consenso do mercado.

INDICADORES ECONÔMICOS NO BRASIL

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou junho com alta de 0,67%, ante um avanço de 0,47% em maio, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado ficou abaixo da mediana (0,71%) das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que previam uma alta entre 0,51% e 0,88%. A taxa acumulada pela inflação no ano ficou em 5,49%. Desse modo, o resultado acumulado em 12 meses foi de 11,89%, mais próximo do piso das projeções dos analistas, com mediana de 11,93%.

Para ler mais sobre o resultado do IPCA de junho, acesse o Relatório de Inflação

POLÍTICA NO BRASIL

O presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), prorrogou por 60 dias a MP (Medida Provisória) 1.118, que definiu a alíquota única de ICMS sobre combustíveis “ainda que as operações se iniciem no exterior”. O texto ainda zerou alíquotas de Pis/Cofins sobre combustíveis. A MP retirou da lei a possibilidade de contabilidade de créditos tributários na comercialização de diesel, biodiesel, gás de cozinha e querosene de aviação para o comprador final. Além disso, o governo declarou que a medida “consolida e esclarece a legislação” sobre o assunto. A secretaria argumentou que as vendas efetuadas com alíquota zero garantem a manutenção de créditos vinculados a essas operações apenas pelos vendedores. (Poder 360)

Para mais notícias sobre política, acesse o Panorama Político.

PAINEL DE COTAÇÕES
tabela com cotações do dia e do último fechamento

As informações contidas neste material têm caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação
 de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Este material é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Órama Investimentos, incluindo agentes autônomos e clientes, podendo também ser divulgado no site e/ou em outros meios de comunicação da Órama. Fica
 proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Órama.
Compartilhe o post:

Posts Similares