Mercado americano encerra seu pior semestre desde 1970

Compartilhe o post:

NESTA MANHÃ
Nesta manhã: Mercado americano encerra seu pior semestre desde 1970.
  • As bolsas asiáticas fecharam em baixa, acompanhando o mau humor de Wall Street, em meio a crescentes temores de que os EUA entrem em recessão, e na esteira de uma pesquisa desfavorável sobre a confiança do setor empresarial do Japão. Assim, o Nikkei caiu 1,73% e o Xangai Composto recuou 0,32%. Em Hong Kong foi feriado e os mercados não abriram. 
  • A confiança do setor manufatureiro do Japão se deteriorou pelo segundo trimestre consecutivo, refletindo preocupações com lockdowns motivados por surtos de covid-19. O principal índice de sentimento de grandes fabricantes caiu de 14 em março para 9 em junho, de acordo com o relatório trimestral “Tankan” do BoJ. O resultado ficou abaixo da expectativa de economistas consultados pela agência Quick, de queda a 12.
  • O índice de gerentes de compras (PMI) da indústria da China subiu de 48,1 em maio para 51,7 em junho, conforme relatório da S&P Global. O resultado indica expansão após quatro meses de contração na atividade – a marca de 50 separa contração de expansão.
  • As bolsas europeias variando sinal, à medida que os índices futuros de Wall Street reduziram suas perdas, embora persistam temores sobre uma possível recessão global. Desse modo, o índice Europe Stoxx 600 tem baixa marginal de 0,04%.
  • A taxa anual de inflação ao consumidor (CPI) da zona do euro atingiu a máxima histórica de 8,6% em junho, ainda com os impactos da guerra entre Rússia e Ucrânia, conforme dados preliminares divulgados pela Eurostat. O resultado ficou acima da expectativa de analistas de 8,4%.
  • Os futuros dos índices de ações de Wall Street indicam abertura em queda.
  • O rendimento do T-Notes de 10 anos está em 2,97%.
  • Os contratos futuros do Brent sobem 2,15% a US$ 111,37 o barril.
  • O ouro recua 0,91%, a US$ 1.790,71 a onça.
  • O Bitcoin negocia a US$ 19 mil.
AGENDA DO DIA
  • 09:00 Brasil: Índice de Preços ao Produtor IPP (Mai) 
  • 10:00 Brasil: PMI Industrial (Jun) 
  • 10:45 EUA: PMI Industrial (Jun) 
  • 15:00 Brasil: Balança Comercial (Jun) 

RESUMO DO FECHAMENTO ANTERIOR
BRASIL

Após encerrar o pregão em baixa de 1,08%, o Ibovespa terminou o mês e o semestre no negativo, com queda de -11,50% e 5,99%, respectivamente. A cautela interna em relação à perspectiva fiscal do país se impôs no momento em que o cenário externo se mostra também atribulado pela correção das políticas monetárias em grandes economias, por dúvidas sobre a retomada na China e pelo prolongado conflito no leste europeu. Assim, a combinação de incertezas, principalmente as relacionadas à economia chinesa e ao conflito na Ucrânia, tem acentuado a volatilidade das commodities, com efeito direto sobre o Ibovespa.

No aguardo da votação da PEC dos Combustíveis no Senado, prevista para o fim do dia (30), o mercado de juros olhou para o exterior, acompanhando o fechamento das curvas globais e a queda dos preços das commodities. O dia ainda foi marcado por fatores técnicos relacionados a ajustes típicos de fim de mês e eventos importantes para o mercado de renda fixa na sexta (1), entre eles o vencimento de LTNs. Os juros futuros encerraram o dia em queda, no entanto, em alta no mês. Ao passo que o dólar encerrou o pregão em alta de 0,77%, a R$ 5,234, e avançou 10,15% em junho. 

EXTERIOR

Os mercados de Nova York fecharam em queda, com investidores novamente atentos aos riscos de recessão mais adiante. No fechamento do primeiro semestre, o quadro negativo ficou evidente: o S&P500 registrou o pior semestre desde 1970. Assim, o índice Dow Jones fechou em queda de 0,82%, o S&P500 recuou 0,88% e o Nasdaq caiu 1,33%. Enquanto no mês, as baixas foram de 6,71%, 8,39% e 8,71%, respectivamente. 

Os retornos dos Treasuries caíram, com demanda pelos bônus em dia de cautela nos mercados internacionais, movimento acentuado pela divulgação do PCE nos EUA. O índice DXY recuou 0,40%, com ajuste após ganhos recentes. Além disso, o euro esteve apoiado, em meio a declarações do Banco Central Europeu (BCE). 

O dirigente do BCE e presidente do BC da Áustria, Robert Holzmann, afirmou que o retorno da inflação à meta de 2% na zona do euro é um objetivo que deve levar algum tempo para ser concretizado. De acordo com ele, “as cadeias de varejo ainda estão em colapso, a guerra na Ucrânia não acabou”. Além disso, Holzmann acrescentou que preferia ter subido juros mais cedo. 

INDICADORES ECONÔMICOS NOS EUA

O índice de preços de gastos com consumo (PCE) – medida de inflação preferida do Fed – subiu 0,6% em maio ante abril, conforme dados publicados pelo Departamento do Comércio. O núcleo do PCE, que exclui itens voláteis como alimentos e energia, avançou 0,3% no período, vindo um pouco abaixo das expectativas de analistas consultados pelo WSJ, de alta de 0,4%. Ao passo que na comparação anual, o PCE subiu 6,3% em maio, repetindo a variação do mês anterior, e seu núcleo aumentou 4,7%, depois de avançar 4,9% em abril.

POLÍTICA NO BRASIL

Com a inclusão de última hora de um auxílio-gasolina de R$ 2 bilhões para taxistas, acertado após o presidente Jair Bolsonaro “entrar no circuito” e impor sua vontade à equipe econômica, o Senado aprovou em primeiro e segundo turnos a PEC dos Combustíveis, que eleva o valor do Auxílio Brasil, dobra o vale-gás e cria um novo benefício voltado para caminhoneiros, além da ajuda aos taxistas. Somadas, as medidas custarão aos cofres públicos R$ 41,25 bilhões este ano, montante que ficará fora do teto de gastos. A proposta segue para a Câmara dos Deputados. (Valor)

Para mais notícias sobre política, acesse o Panorama Político.

PAINEL DE COTAÇÕES

As informações contidas neste material têm caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação
 de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Este material é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Órama Investimentos, incluindo agentes autônomos e clientes, podendo também ser divulgado no site e/ou em outros meios de comunicação da Órama. Fica
 proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Órama.
Compartilhe o post:

Posts Similares