Relaxamento de medidas contra o Covid na China dá o tom aos mercados

Compartilhe o post:

NESTA MANHÃ
Nesta manhã: Relaxamento de medidas contra o Covid na China dá o tom aos mercados.
  • As bolsas asiáticas fecharam em alta, após a China anunciar novo relaxamento de medidas contra a covid-19, melhorando sua perspectiva de recuperação econômica. O índice Xangai Composto avançou 0,89%, enquanto o japonês Nikkei teve alta de 0,66% em Tóquio e o Hang Seng valorizou 0,85% em Hong Kong.
  • Na Europa, as bolsas operam em alta, impulsionadas por commodities, após o relaxamento das restrições contra o Covid na China. Além disso, investidores também acompanharam as falas da Christine Lagarde, presidente do BCE, que reiterou os planos da instituição de elevar juros no próximo mês e em setembro. No entanto, acrescentou que o compromisso dependerá do comportamento dos dados econômicos. Assim, o índice Stoxx Europe 600 sobe 0,48%.
  • Os futuros dos índices de ações de Wall Street indicam abertura em alta.
  • O rendimento do T-Notes de 10 anos está em 3,24%.
  • Os contratos futuros do Brent sobem 2,26%, a US$ 117,69 o barril.
  • O ouro avança 0,09%, a US$ 1.824,39 a onça.
  • O Bitcoin negocia a US$ 21 mil.
AGENDA DO DIA
  • 09:30 EUA: Balança Comercial de Bens (Mai)
  • 11:00 EUA: Confiança do Consumidor Conference Board (Jun)

RESUMO DO FECHAMENTO ANTERIOR
BRASIL

Apesar de sinal negativo em Nova York, o Ibovespa iniciou esta última semana do mês com retomada dos 100 mil pontos. Como resultado de uma valorização de mais de 6% das ações da Petrobras, o índice fechou em alta de 2,12%, aos 100.763,6 pontos.

Por outro lado, os juros terminaram o dia subindo, com o cenário internacional e riscos fiscais pesando mais. Ao mesmo tempo, o dólar se firmou em baixa ao longo da tarde e encerrou a sessão em queda de 0,36%, cotado a R$ 5,2340. O câmbio também foi mais influenciado pelo comportamento da moeda americana, em dia de agenda esvaziada internamente. 

EXTERIOR

Os mercados acionários de Nova York registraram baixa, em meio a indicadores dos EUA e avaliações sobre as perspectivas para a política monetária. O índice Dow Jones fechou em queda de 0,20%, enquanto o S&P 500 caiu 0,30% e o Nasdaq teve recuo de 0,80%.

Ao passo que os juros dos Treasuries encerraram em alta, movimento visto durante quase toda a sessão. Investidores repercutiram indicadores melhores do que o esperado nos EUA, ao mesmo tempo que seguem atentos à perspectiva de aperto monetário pelo Fed, antes de dados de inflação e atividade da economia americana, que serão divulgados ao longo da semana.

O dólar operou pressionado e ampliou as perdas da semana anterior ante rivais fortes. No cenário macroeconômico global, investidores seguem focados nos riscos de recessão em países desenvolvidos e na perspectiva de aperto monetário, na expectativa dos dados de inflação e atividade nos EUA e Europa. Dessa forma, o índice DXY caiu 0,24%. 

INDICADORES ECONÔMICOS NOS EUA

O índice de vendas pendentes de imóveis nos Estados Unidos registrou inesperado crescimento de 0,7% em maio ante abril, a 99,9 pontos, conforme dados divulgados pela Associação Nacional de Corretores (NAR). Analistas consultados pelo WSJ previam queda de 4% no período. Dessa forma, na comparação com maio de 2021, o indicador recuou 13,6% no mês passado.

As encomendas de bens duráveis subiram 0,7% em maio ante abril, a US$ 267,2 bilhões, de acordo com dados divulgados pelo Departamento do Comércio. O resultado superou a expectativa de analistas consultados pelo WSJ, que previam ganho de 0,2%. 

POLÍTICA NO BRASIL

A ministra Cármen Lúcia, do STF, determinou que a Procuradoria Geral da República (PGR) se manifeste sobre um pedido de investigação contra o presidente Jair Bolsonaro pela suposta participação no caso sobre a atuação de pastores no Ministério da Educação (MEC). A decisão é de sexta-feira (24) mas foi publicada apenas na segunda-feira (27). O procedimento é praxe, ao receber pedidos de investigação o STF encaminha à PGR, a quem cabe avaliar se há indícios suficientes para abertura de um inquérito. (Poder 360)

Em linha com lei complementar 194 sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro, os governos de São Paulo e de Goiás anunciaram na segunda (27) a redução da alíquota do ICMS que incide sobre combustíveis. Em São Paulo, o tributo caiu de 25% para 18% e vale apenas para a gasolina. A expectativa do governador Rodrigo Garcia (PSDB) é de queda de R$ 0,48 no preço do litro do produto. Ao passo que o governo de Goiás estendeu o corte da alíquota (agora em 17%) para outros combustíveis, energia elétrica e telecomunicações. A projeção é de que o litro da gasolina fique R$ 0,85 mais barato no Estado. (Estadão)

Para mais notícias de Brasília, acesse o Panorama Político: Relaxamento de medidas contra o Covid na China dá o tom aos mercados.

PAINEL DE COTAÇÕES

As informações contidas neste material têm caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação
 de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Este material é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Órama Investimentos, incluindo agentes autônomos e clientes, podendo também ser divulgado no site e/ou em outros meios de comunicação da Órama. Fica
 proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Órama.
Compartilhe o post:

Posts Similares